Escritora Atena Beauvoir participa de live no Dia Mundial do Livro

Foto – arquivo pessoal

Aula pública é promovida pelo coletivo Beabah – Bibliotecas Comunitárias do RS

Publicações: PublishNews / Literatura RS / Correio do Povo / Jornal do Comércio

Na próxima quinta-feira (23), Dia Mundial do Livro, a literatura de autoria trans será pauta da primeira live do coletivo Beabah – Rede de Bibliotecas Comunitárias do RS, em atuação há 11 anos em Porto Alegre e região metropolitana. A escritora e filósofa Atena Beauvoir é a convidada da conferência, que inicia às 19h na página do coletivo no Instagram (@beabah.rs).

Com o tema Literatura Invisível: Existência, Resistência e Desafios, a aula pública tem como objetivos entender e promover autoras transgêneras que existem, discutem e produzem boa literatura, além de abordar o conceito de literatura invisível. “A literatura invisível é destinada não somente para quem não alcança a leitura de livros de determinados autores e autoras, mas igualmente para aquelas pessoas que nunca pensaram que poderiam escrever e publicar suas próprias histórias”, diz a autora de “Contos Transantropológicos” (Editora Taverna, 2018). A obra também será abordada na live. “Esse livro carrega minha existência. Mesmo que o livro apresente tantos personagens, ainda há uma unidade: a luta por existir. A sobrevivência por existir. O esforço de existir e resistir”, completa.  A mediação será feita por Eduardo Peixoto, integrante do coletivo.

A live é uma realização do coletivo Beabah, rede de bibliotecas comunitárias que atua há 11 anos realizando ações de descentralização da cultura e democratização do acesso ao livro e à leitura. Atualmente, 10 bibliotecas comunitárias integram o coletivo em 4 cidades da região metropolitana: Cachoeirinha, Eldorado do Sul, Esteio e Porto Alegre. Só em 2019, a rede realizou o empréstimo de 6.990 livros, alcançando o número de 9.258 leitores nas periferias destas cidades.

Sobre a convidada:

Atena Beauvoir, natural de Porto Alegre, é escritora, poetisa, professora e filósofa. Em 2016, recebeu Menção Honrosa pela atuação em defesa e promoção da dignidade humana de LGBTs na cidade de Canoas/RS. É colaboradora da Rede Trans Brasil e Red Latinoamericana y del Caribe de Personas Trans. Idealizadora da Nemesis Editora para publicação de literatura invisível e transantropológica na área de filosofia existencialista. É autora das obras Libertê: poesia, filosofia e transantropologia (Nemesis Editora, 2018) e Contos Transantropológicos (Editora Taverna, 2018);

Sobre o mediador:

Eduardo Peixoto tem 26 anos, é porto-alegrense, gay, negro, agitador cultural e estudante de Biblioteconomia na UFRGS. Atua há mais de 5 anos em bibliotecas, especialmente as Comunitárias na região metropolitana de Porto Alegre.